“VoZdoTorcedor: Obrigado Neto Baiano, você merecia uma estátua

Foto: ECV.

O Vitória não é um time de tantos ídolos, pelo menos não que você consiga citar 10 nomes de forma fácil e rápida, mas um deles com toda certeza é Neto Baiano. Essa afirmação pode parecer loucura para você que ler esse texto, mas não é para esse torcedor que escreve após mais um ciclo se encerrar.

Em 2009, lá estava com 13 anos, entrando na adolescência e aprendendo a gostar do futebol de verdade. Foi a primeira vez que ouvi aquele nome: Neto Baiano. Ele tinha a marca de ter sido jogador do Palmeiras, mas chegou em baixa, tendo sido dispensado do Ipatinga e Ponte Preta. Naquele ano, a sarda ganhava a gente de 2 a 0 no primeiro tempo, Neto diminuiu e viu a equipe empatar e ser campeã do Baiano, de quebra ainda foi o artilheiro do campeonato.

Depois daquele BaVi fui orgulhoso para escola, com a camisa do Vitória e provocando todos os rivais que conhecia em minha vida.

Reencontro Neto Baiano em 2011, ele já estreia no clássico mandando bola na rede. O homem abriu o placar, a gente deu 3 a 0 e ele ainda larga no final “chore na minha”, uma pela poesia do pagode baiano! Caramba, com quase 15 anos, estava apaixonado por um homem!

2012, foi espetacular!

Faço questão de lembrar que Neto começou aquele ano voando, o Vitória goleou o Juazeiro por 6 a 1 e na partida seguida 5 x 0, Vitória da Conquista, e Netão fez três gols em cada uma, ao todo foram 27 gols naquela temporada.

Eduardo Martins / Futura Press

Mas foi na Copa do Brasil que eu passei a amar aquele cidadão. O Vitória empatou com o ABC em 1 a 1 e no jogo de volta, lá estava ele pra brilhar. Estava lá na arquibancada e vi o maior artilheiro da história do Barradão marcar três gols e virar a partida, posso dizer que ele chamou a responsabilidade e avisou para gente que ficou no Barradão: vamos ganhar! – Ele era foda!

Retornos

No retorno em 2015, Neto fez somente 17 partidas e marcou seis gols. Já estava com os meus 17 anos quando ele se despediu, em uma saída melancólica, brigando com a diretoria. Mas o respeito por ele nunca deixou de existir, afinal quem foi o artilheiro que “deitou nas Sardinhas”?

Em 2019, Neto voltou. O retorno de um ídolo, mas com os seus 36 anos, a gente sabia que não conseguiria ser mais o mesmo. Mas em todos os jogos que esteve em campo, lutou e honrou o manto rubro-negro, até porque, esse ai é Vitória de verdade. Obrigado Neto, você é o artilheiro do Barradão e espero um dia ver sua estátua no fundo de um dos gols do Barradão.

Texto escrito pelo torcedor: Felipe Sena

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*