Duelo de baianas na Série A2 do Campeonato Brasileiro

Duelo de baianas marca, também, um confronto entre dois times que vivem situações distintas na competição. As Leoas da Barra estão na vice-liderança do grupo 15, com o mesmo número de pontos das líderes. Vencer hoje pode significar a liderança do grupo. Do outro lado, as meninas do Lusaca estão na vice-lanterna do Grupo e precisam vencer para seguir respirando na competição. Um vitória hoje pode levá-las até a terceira colocação do grupo. Além de quebrar a invencibilidade das Leoas. Foto: Mauricia da Matta/EC Vitória

Hoje é dia de clássico local na Série A2 do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. As Leoas da Barra enfrentam o Lusaca, equipe do PFC Cajazeiras, hoje no estádio de Pituaçu às 15h. A partida é válida pela 4ª rodada da competição nacional.

O desafio é enorme para as meninas do Lusaca: enfrentam as vice-líderes do grupo 15. O Vitória está invicto na competição e somou sete pontos nas três rodadas iniciais. Foram duas vitórias e um empate. O Lusaca está na situação exatamente oposta e é a vice-lanterna do grupo, ocupando a 7ª posição dentre as oito possíveis. Foram 3 pontos conquistados até agora, fruto de um único triunfo: a goleada por 5×2 que as meninas aplicaram no Sampaio Corrêa há duas rodadas.

Vencer hoje pode levar o Vitória à liderança do grupo 15 da Série A2. Do outro lado, vencer significa levar o Lusaca a um salto de até quatro posições. Foto: Reprodução/Site da CBF

Para o jogo de logo mais, a arbitragem fica por conta de um trio baiano. Quem comanda é Moises Ferreira Simão, do quadro da CBF. Ele será auxiliado por suas conterrâneas Danila Borges Martins e Patricia dos Reis Nascimento. As duas bandeiras também pertencem ao quadro de arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol.

Vinicius Nascimento
Sobre Vinicius Nascimento 184 Artigos
Estudante de Comunicação na UFBA, produtor do programa Os Donos da Bola na TV Band e faz de tudo no Resenha na Rede. Oficialmente, editor e repórter do site. Tricolor, viciado em estádio e feliz pela própria natureza.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*