O Vitória precisa sim ser popular, mesmo o presidente achando que não

Foto: Valmerson.

@Resenhanarede

O Vitória fez o lançamento dos seus novos padrões de jogo, na noite da última quinta-feira (30). A nova coleção foi criada pela marca esportiva italiana Kappa, tendo o modelo masculino o valor de R$219,00 e o feminino R$199,00. Se por um lado os valores assustaram os torcedores, por outro foi defendido pelo atual presidente.

O gestor foi questionado durante o lançamento sobre a possibilidade de existir algum padrão com preço popular e se demonstrou contrário a ideia. “Não existe esse negócio de preço popular. O Vitória tem que parar com isso. O Vitória precisa de dinheiro. Chega de preço popular. Comigo não vai ter promoção nunca mais” (trecho retirado do Correio), cravou Paulo Carneiro.

O questionamento surge em um cenário em que o Bahia, co-irmão e rival, tem uma linha de camisas populares, comercializadas em um valor mais baixo do que o padrão principal. O Tricolor conseguiu viabilizar a “camisa do povo” após o lançamento da marca própria do clube.

A declaração de Paulo Carneiro é forte e verdadeira, a instituição vive um momento financeiro tenebroso e precisa de dinheiro em caixa. Contudo, o dirigente demonstra não perceber que desenvolver um padrão popular poderia ser oportunidade de aproximação com o torcedor do Vitória, que está desconfiado e distante.

O torcedor do Vitória tem a estigma de “só ir na boa”, ou seja, quando o time está bem apoia. E esse pensamento está muito ligado ao discurso do presidente durante o lançamento que foi capaz de dizer que: “Quem sempre foi popular não é o Vitória, vocês sabem muito bem quem é” (trecho retirado do A Tarde).

Foto: Ibahia/Divulgação.

O Vitória atualmente possui uma média de 12 mil torcedores associados, o próprio gestor afirma que busca chegar aos 40 mil sócios até o final do ano, mas para isso acontecer precisará tomar atitudes populares, que aproximem o rubro-negro do torcedor. O Vitória precisa se popularizar e descer do pedestal que se colocou. É preciso deixar de ser um clube da aristocracia baiana e se tornar um clube de massa.

Osvaldo Barreto
Sobre Osvaldo Barreto 1333 Artigos
Editor, colunista e repórter. Produtor do programa Os Donos da Bola (TV Band). Advogado.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*