Há um mês sem vencer em casa, postura do Bahia é contestada

Foto : Felipe Oliveira/ ECBahia

@Resenhanarede

Um time que busca alcançar a Libertadores não tem o direito de não ganhar dentro de casa. Forte? Sim! Mas explica a oitava colocação na tabela do Campeonato Brasileiro. A última vitória do Bahia em seu mando foi contra o Botafogo, no dia 25 de setembro de 2019. Um mês depois e quatro partidas em Salvador, o Tricolor conseguiu apenas um empate contra o São Paulo.

Desde então, o cenário é claro: o Bahia é um time reativo. Nos últimos sete jogos, o Esquadrão ganhou seis pontos. Três foram contra o Avaí e mais três diante do Grêmio. O time tem como característica a resposta aos adversários, com um contra-ataque mortal revezando seus miúdos Artur, Arthur Caíke e Élber, além de contar com um definidor, que vive uma fase de seca, Gilberto.

Em maio comentei nesta coluna que Roger não pode ser apontado como um treinador inerte, afinal, desde a saída do volante Douglas Augusto, o técnico tem testado um meio de campo diferente. Seja com três volantes ou optando por dois marcadores e um meia, como nas últimas partidas. Contudo, o time segue sendo reativo, precisa ser atacado para responder. Prova foram os seis pontos conquistados contra o Avaí e Grêmio fora de casa.

Tentativas em vão

Imagem : Felipe Oliveira/ECBahia

Dos último sete jogos, Roger utilizou o meia Guerra como titular em quatro oportunidades. Abrindo mão dos três volantes de ofício, o Bahia teve como resultado duas vitórias (Avaí e Grêmio) e duas derrotas (Athletico-PR e Ceará). Já com os três volantes somou apenas um ponto contra o São Paulo. Na derrota para o Internacional, no último sábado (26), a aposta foi com dois volantes e João Pedro fazendo a função de meia, com Guerra entrando na segunda etapa.

Roger surpreendeu na sua chegada, mas as equipes entenderam a forma do Bahia se comportar em campo. Se o treinador acredita de fato que o time pode garantir uma vaga na Libertadores, precisa ser ofensivo ao menos nas últimas quatro partidas dentro de casa.

Colaborador: Osvaldo Barreto.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*