Há cinco jogos sem vencer, Roger precisa se reencontrar

Foto: Felipe Oliveira.

@Resenhanarede

Cedo? Não!Após a eliminação do Bahia na Copa do Brasil, diante do Grêmio, o Bahia chega a marca de cinco jogos sem conseguir vencer. Neste retrospecto recente há dois empates e três derrotas no cartel do treinador Roger Machado.

No dia 19 de maio, após a partida contra o São Paulo, no Morumbi, a “sacada de mestre” do técnico foi contada em verso e prosa. Ele colocou o Bahia com três volantes – Elton, Douglas Augusto e Gregore. Naquela altura o  Bahia anulou as ações ofensivas do time paulista e ainda conseguiu criar situações de ataque.

Tudo mudou

De lá para cá, o Tricolor chegou as quartas de final da Copa do Brasil e ocupou 6ª colocação do Campeonato Brasileiro. Entretanto, após as três partidas depois da parada para a Copa América, Roger tentou ensaiar o time com dois meias (Ramires e Shaylon) e com dois volantes e um meia (Élton, Gregore e Ramires), explorando as jogadas ofensivas com os extremos, responsáveis por armar os contra-ataques da equipe e fazer a recomposição no sistema defensivo. Resultado: Eliminação da Copa do Brasil e 11ª colocação no Campeonato Brasileiro.

Foto: Felipe Oliveira/ECB.

As tentativas não trouxeram resultados positivos dentro de campo, o que de fato demonstra que o treinador do Bahia perdeu um grande pilar em seu esquema. Douglas Augusto foi vendido para o PAOK e Roger deixou de ter o volante com mais potencial no toque de bola no meio.

Durante a eliminação na Copa do Brasil, o Bahia não jogou durante os primeiros 45 minutos. O time perdeu o meio de campo e tentava forçar as jogadas com Arthur, que esbarrava em uma marcação dupla e por vezes tripla da equipe gremista. Além do mais, Ramires não conseguiu  destruir jogadas e nem mesmo criá-las no meio de campo.

Roger não pode ser apontado como um treinador que não tenta, mas precisa tirar lições da partida contra o Grêmio, dentre elas: o treinador precisa voltar a ousar e tirar mais um coelho da cartola, assim como fez contra o São Paulo.

Colaborador: Osvaldo Barreto.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*