Enderson diz que Ba-Vi é campeonato à parte, espera dificuldades e descarta começar com Fernandão

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia

@Resenhanarede

Vencer o clássico deste domingo, contra o Vitória, às 17 horas, pela Copa do Nordeste, é fundamental para o planejamento do Bahia na temporada por diversos motivos. Entre eles, assumir a liderança do Grupo B do Nordestão – está em segundo lugar com quatro pontos, empatado com o líder Ceará e o terceiro colocado ABC –, apagar a imagem negativa que ficou na derrota diante do Bahia de Feira, em plena Arena Fonte Nova, e mostrar, na prática, que é tem o melhor elenco do Norte/Nordeste.

Por determinação do Ministério Público da Bahia (MP-BA), a partida terá torcida única. Ou seja, apenas torcedores tricolores estarão nas arquibancadas da Fonte. O técnico tricolor, Enderson Moreira, se mostrou chateado com tal situação. “Certificado da nossa total incapacidade [de manter a paz nos estádios]. Eu fico mais triste quando isso acontece nesse Estado que eu não conhecia, mas me encanta. Eu acho o povo baiano espetacular. Povo que faz festa fácil”, criticou o treinador, que fez um contraponto de ter apenas a nação tricolor no estádio: “Isso é maravilhoso, mas a gente também sofre na casa do adversário”.

Jogadores estão prontos para o primeiro Ba-Vi do ano (foto: Felipe Oliveira / EC Bahia)

Quando o assunto é favoritismo no clássico, principalmente por estar na Série A do Brasileiro e ter um orçamento quase três vezes maior do que o rival Rubro-Negro, Enderson desconversa totalmente e tira todo o peso e a responsabilidade dos seus atletas. “Não existe favoritismo em clássico. Eles têm um grande treinador, uma equipe que mescla jogadores, então é complicado afirmar isso”.

O comandante do Bahia aproveitou para enaltecer o trabalho do colega de profissão e técnico do Vitória, Marcelo Chamusca. “Tem momento que uma equipe pode ter superioridade em cima de algumas ideias. Conheço o Marcelo [Chamusca] há algum tempo. Então tenho uma ideia do trabalho dele. Sempre são equipes difíceis de serem batidas”, afirmou.

“É um campeonato à parte [Ba-Vi]. Vale muito mais que três pontos. A gente tem pouco tempo de pré-temporada, então todo mundo olha para o seu lado, pensando ao que pode ser feito”, disse Enderson.

E para quem tinha alguma esperança de ver o ataque do Esquadrão formada por Gilberto e Fernandão, vai ter que esperar, é o que garante Enderson. Porém, essa espera pode ser de apenas 45 minutos. “Ele [Fernandão] ainda não tem condição de começar um jogo. Se, por um acaso, a gente achar que ele possa estar à disposição, será por um curto tempo. Não adianta ficar gritando no intervalo pedindo Fernandão”, avisou.

Para a partida, o Bahia deve entrar em campo com o que tem de melhor à disposição: Douglas; Nino Paraíba, Jackson, Lucas Fonseca e Moisés; Gregore e Flávio; Arthur, Guilherme e Rogério (Élber ou Shaylon); Gilberto.

 

 

Rafael Tiago Nunes
Sobre Rafael Tiago Nunes 154 Artigos
Editor e colunista. Jornalista e comentarista esportivo. Foi coordenador do Caderno de Esportes do Jornal Massa por oito anos, já foi repórter de esportes, cidade e economia do Jornal Massa. Foi repórter do Caderno 2 do jornal A Tarde e da Rádio Educadora. Atuou também como jornalista na Seinfra (Secretaria de Infraestrutura da Bahia) e na OAB-BA (Ordem dos Advogados). É assessor de imprensa e sócio-diretor da Habemus Comunicação. Formado na Faculdade da Cidade do Salvador e especializado em jornalismo esportivo.

2 Comentário

  1. Tiago,vc como sempre,com abordagens espetaculares!
    Ba-vi,é o teste para qualquer treinador,pode perder para o genérico ,agora na nossa casa,torcida única e elenco superior, tem que ganhar mesmo.
    Do contrário, vai ficar dificil, nem empatar,só justifica os 3 pontos.

  2. Um triunfo de maneira convicente é tudo que o Bahia precisa e tem que buscar pra seguir o seu planejamento pra esse início de temporada cercada de grande expectativa por parte da torcida.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*