Em sua primeira participação nos Jogos Olímpicos, Karatê é destaque no cenário esportivo baiano

Fazendo parte do grupo de artes marciais mais praticados no mundo, o karatê finalmente poderá participar dos Jogos Olímpicos. A entidade responsável pela inclusão do esporte nas Olimpíadas de 2020, em Tóquio, no Japão, é a World Karatê Federativo (WKF), vinculada ao Comitê Olímpico Internacional (COI).
A WKF surgiu nos anos 90, através da união de duas federações dos anos 80: Federação Brasileira de Karatê (FBK) e a United World Karatê Federation (UWKF).
A participação do esporte nas Olimpíadas tem a ver com o país em que os jogos serão sediados. O Japão tem direito a escolher duas modalidades para participar e escolheu o Karatê, que é um esporte nativo, para integrar o grupo de esportes que serão disputados, ainda que seja como esporte de apresentação.
Foto: Carol Ribeiro/ Resenha Na Rede

A modalidade será dividida em oito categorias.

 O masculino contará com kata e kumite;
 De 60kg a 67kg
 Até 75kg;
De 75kg a 84kg;
No feminino, as mulheres também disputarão o kata e o kumite, nas categorias:
De 50kg até 55kg;
Até 61kg;
Cada categoria contará com 10 atletas na disputa, cada país poderá enviar até oito competidores, tendo um representante por categoria de peso. As qualificações começaram a ser disputadas dia 2 de julho de 2018 e serão até 30 de  junho de 2020.
O principal motivo que caracteriza a dificuldade do karatê se tornar um esporte olímpico são as diversas federação e estilos do esporte, não permitindo que a arte seja unificada.
Como tornar um esporte olímpico sem unificação?
O professor Anderson Carlos, faixa preta 3 dan, fala da importância do Karatê nos jogos olímpicos em 2020, mas destaca a falta de união entre as federações: “em processo de desenvolvimento”.
Espero que o Brasil faça uma grande participação, que traga muitas medalhas para nosso país, é claro que eu venho destacar que o karatê ainda não é um esporte olímpico, é um esporte em processo de desenvolvimento, mas que necessita ter a participação em três olimpíadas para se tornar olímpico. Infelizmente isso ainda não aconteceu pela falta de organização das instituições existentes, tanto nacionalmente quanto internacionalmente”, destacou o Sensei.
Foto: Carol Ribeiro/ Resenha Na Rede

O Karatê na Bahia teve uma crescente nos últimos anos e o esporte se tornou popular entre o público jovem e infantil. Diversos clubes e associações surgiram com o intuito de promover a prática do esporte que se apresentará pela primeira vez nos Jogos Olímpicos, em Tóquio, no Japão, em 2020.

Carol Ribeiro
Sobre Carol Ribeiro 157 Artigos
Repórter. Faz a cobertura do esporte amador na Bahia.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*