Em entrevista, Fábio Mota diz que aceitaria ser interventor do Vitória

(Foto:Arquivo/BNews).

A crise que o Esporte Clube Vitória atravessa foi o tema da entrevista do conselheiro Fábio Mota, que também é secretário de Mobilidade Urbana de Salvador, ao apresentador José Eduardo, na manhã desta segunda-feira, na Metrópole FM.

Preocupado com a atual situação do clube, Fábio Mota afirmou que aceitaria ser interventor do Vitória para tentar reverter a má fase do time.

“Agora, a situação do Vitória hoje não é para nenhum salvador da pátria. A situação é séria, o Vitória está em declínio, não só perde, passou a tomar goleadas. Virou uma desmoralização da instituição do Esporte Clube Vitória”, disse o conselheiro e também torcedor do clube.

Segundo Fábio Mota, o clube precisa de um gestor. Nenhum salvador da pátria vai tirar o clube desta situação. O Vitória precisa agora de um grupo gestor com pessoas experientes e que tenham pulso. Hoje não tem. Você vê um time jogando sem garra, sem vontade. O reflexo do time em campo é o reflexo da atual diretoria, que está completamente perdida e sem planejamento nenhum”, analisou Fábio.

Fonte: Bocão News.

Cássio Moreira
Sobre Cássio Moreira 134 Artigos
Estudante de Jornalismo (Estácio). Repórter futebol baiano.

2 Comentário

  1. Esse Senhor é um dos maiores desagregadores do clube. Não participa efetivamente de nada, não contribui com sugestões que propiciem a melhoria de qualidade das administrações do clube e o seu único interesse é utilizar ao clube e a imensa torcida como meio de se promover visando galgar algum cargo político ou se beneficiar através do clube para ter destaque no cenário político-partidário do nosso Estado. Ele somente aparece quando o clube vai mal, principalmente, nas áreas administrativa e do futebol profissional. Como a atual administração tem sido um fiasco, então ele se coloca à disposição dos associados para intervir no clube. Ele desconhece que apesar dos erros cometidos pelos nossos dirigentes atuais, estes, foram eleitos democraticamente, e portanto, somente poderão ser destituídos por uma nova eleição. Pensar em Intervenção no momento atual, em que pese a situação do clube, é mais do que um retrocesso político, se trata de um crime ao regime democrático ora vigente, um processo que foi aprovado por uma Assembleia Geral no ano de 2017. Qualquer Conselheiro, de bom senso, inteligente e efetivamente torcedor do Esporte Clube Vitória, jamais permitirá e votará por uma Intervenção no Clube, a não ser aqueles cujos interesses são escusos.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*