Detonou: Bellintani afirma que falta vontade e capacidade ao time B do Bahia

Nem sempre dá para viver de amores. A frase é do presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, que ficou na bronca com o time B do clube: mais uma vez a equipe alternativa não apresentou um bom futebol e não conseguiu vencer no Campeonato Baiano. O jogo da vez foi contra o Atlético de Alagoinhas e acabou empatado por 1 a 1.

Para Bellintani, apesar do time contar com um time composto exclusivamente por atletas de até 23 anos (o mais experiente hoje foi Clayton, que completa 24 anos em outubro), o time B precisa honrar a camisa do clube.

“A gente tem que rever o nosso jogo, ver exatamente o que está faltando. Tem muita coisa faltando para apresentar um futebol de bom nível, por mais que seja um time B. Um time ainda de meninos. Todo o time abaixo de 23 anos. Mas precisamos honrar a camisa do clube e os jogadores precisam honrar a camisa do clube. Acho que está faltando intensidade, está faltando vontade, está faltando capacidade de fazer o que a gente quer que eles façam”, afirmou Bellintani em entrevista após o jogo.

Foi a terceira partida do time alternativo do Tricolor. Antes do empate de hoje, os garotos do sub-23 empataram com Fluminense de Feira e sofreram derrota por 2 a 0 contra o Bahia de Feira em plena Arena Fonte Nova. O único triunfo do Bahia na competição foi a goleada por 7 a 1 contra a Juazeirense em partida que intime principal esteve em campo.

O time não foi o único alvo das críticas de Bellintani na noite da última quarta-feira (6). A arbitragem de Emerson Ricardo de Almeida Andrade também foi alvo de uma avaliação severa do cartola tricolor.

No primeiro tempo, um pênalti duvidoso a favor dos donos da casa foi convertido por João Neto e abriu o placar do jogo. Dois minutos depois o Bahia empatou com Caíque que aproveitou cruzamento de Iago. No segundo tempo, o Bahia poderia tomar a frente do placar se a arbitragem não anulasse um gol legal de Caíque, que desta vez aproveitou cruzamento de Clayton. O árbitro afirmou que antes do passe do meia-atacante do Bahia, a bola havia saído pela linha de fundo.

“Uma arbitragem que infelizmente mudou significativamente o resultado do jogo. Uma vergonha, uma vergonha. Um árbitro desses não tem a menor condição de apitar um jogo profissional. Agora isso não tira a nossa responsabilidade de fazer um futebol melhor, [o nível de atuação] foi muito baixo, foi muito abaixo do que a gente pretende.”, criticou o presidente.

Desempenho do time B e da arbitragem contra o Atlético de Alagoinhas irritaram Bellintani. Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia

Sem descanso, o Bahia já volta a campo nesta quinta-feira (7) para fazer sua estreia na Copa Sul-Americana. O adversário da vez é o Liverpool-URU e a partida acontece às 18h15, horário de Salvador, na Arena Fonte Nova. Desta vez quem estará em campo são os titulares.

“Se é esse o calendário que se apresenta, de dois jogos, um na quarta e um na quinta, ou a gente faz isso ou temos que tomar W.O. Então infelizmente essa é a realidade do calendário do Bahia, que é a única equipe do futebol brasileiro que joga 5 competições”, finalizou.

Vinicius Nascimento
Sobre Vinicius Nascimento 267 Artigos
Colunista e repórter. Setorista de Bahia e Vitória. Repórter do jornal Correio.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*