Foto: Lucas Figueiredo / CBF
parceiro oficial

Natural da cidade de São Paulo, a lateral Isabella Fernandes, começou sua relação com o futebol assistindo o pai e o irmão jogando e brincando com o irmão no quintal. No futsal a atleta começou no Rigesa, time da cidade, jogando com os meninos: “eu tinha de 7 para 8 anos. Depois fui jogar na Seleção de Valinhos, no interior de São Paulo.”

Na mesma época, migrou para o campo, “comecei no Rigesa, também com os meninos, depois tive passagens pelo Guarani, Ponte Preta e Audax-SP, até chegar ao Palmeiras”, relembra.

Atualmente defendendo a camisa do Palmeiras como lateral, a atleta Isabella já atuou como atacante ou meia com os meninos: “quando fui para a Seleção de Valinhos, a Ana começou a me treinar de lateral e eu gostei. É uma posição que precisa correr bastante, pelo fato de eu ter que atacar e defender às vezes na mesma jogada. No começo foi um desafio porque eu era atacante. ”
Quando o assunto são os momentos marcantes da lateral, a atleta traz experiência e muita história para contar.

“Tenho muitos momentos, como a primeira convocação para a Seleção Brasileira Sub-15, o primeiro gol que eu fiz no Pacaembu quando jogava na Taça Cidade de São Paulo, primeiro gol de falta que foi decisivo contra a Portuguesa. Nessa oportunidade, eu jogava na Ponte Preta e foi bem no Dia dos Pais. Também teve o primeiro gol pela Seleção Brasileira, primeira convocação para a Seleção Brasileira Principal e a estreia com uma assistência para a Cristiane, a final da Sul-Americana Sub-17 na Venezuela com 40 mil torcedores e ser campeã do Sul-Americano Sub-20 no Equador, primeiro gol com a camisa do Palmeiras e ser campeã da Copa Paulista de 2019, também com o Verdão.”

Foto: Rebeca Reis

Destaque com a camisa da seleção canarinho, a lateral Isabella conta a emoção de vestir esta camisa: “Era algo que eu sonhava desde criança e quando saiu o meu nome na lista de convocadas eu me senti realizada, honrada e muito inspirada. Passou um filme na minha cabeça de tudo o que eu tinha passado para chegar ali naquele momento. Fiquei muito feliz!.”

Uma característica marcante da atleta são os gols de falta, tanto pela base da Seleção Brasileira, quanto pelo seu atual clube, o alviverde paulista. Além de destacar que o treino constante de faltas, ela ressalta: “no ano passado era eu e a Bianca. Nesse ano chegou a Ary e a Zaneratto, e vamos sempre nos ajudando. Nós ficamos depois do treino e o Fabrício (preparador de goleiras) sempre nos auxilia em como melhorar a nossa batida. Então eu busco aprender e vou pegando essas dicas para sempre melhorar. No dia que fiz os gols de falta (dois contra o Vitória-BA) mandei até mensagem para a Bianca falando que o gol era para ela, em homenagem aos gols que ela marcou no ano passado contra a Chapecoense.”

Foto Carlos Santana /portal da base Brasil

A atleta deixou uma mensagem para aquelas meninas que sonham em serem jogadoras de futebol.

“É um sonho gigante e lindo no papel, mas a primeira coisa que tem que ter em mente é que você terá que fazer muitas escolhas e entre elas são muitas coisas que você gosta e terá que dizer não. É sobre persistir, acreditar, cair, cair, cair e levantar ainda mais forte. Dedicação, muito trabalho e confiança. E o principal de tudo “quando você começa algo por amor e alegria e, de repente, isso passa a ser feito por obrigação não vale mais a pena, então se reinvente todos os dias e nunca deixe de fazer tudo com amor e alegria. ”

 

Edição:
Fernanda Barros – @turbilhaofeminino
Mylla Cecília – @myllacecilia

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui