#VozDoTorcedor | Crise no Vitória: a culpa é das elites, não da democracia

Texto escrito pelo jornalista e rubro-negro  Pedro Caribé para o site Resenha na Rede.
 
Uma das sórdidas diversões da torcida do Vitória no Barradão é competir qual presidente nos últimos 14 anos foi mais nocivo ao clube. Paulo Carneiro, Ivan de Almeida, Falcão, Ricardo David, Alexi Portela e até mesmo Mundico, salvo por Marinho, entra na roda.
Sim, a crise do clube se arrasta há muitos anos, tiveram alguns momentos de respiro, como a final da Copa do Brasil de 2010 e a campanha no Brasileiro de 2013, mas ainda assim sucedidos de rebaixamentos que demonstram a fragilidade de como as coisas são levadas na Toca do Leão.
Vejam, este fosso que não para de abrir não começou com a democracia, muitos menos é culpa daqueles que nunca participaram das decisões e agora podem escolher os seus dirigentes, quem dirá aqueles que ainda não podem ser sócios por falta de dinheiro e acessibilidade ao Barradão.
O futebol é um esporte de massa e popular, mas enganam-se os que defendem o povo ter como natureza ser apático e indiferente como muitos elencos que vimos em campo nesse período, aliás, querem lembrar como foram os jogos de rebaixamento ou os fracassos pros Colo Colo’s e J.Malucellis da vida?
É a persistência dos corpos rubro-negros que mantém o Vitória como um dos maiores clubes do país, ainda cobiçado por patrocinadores, com receitas milionárias e frequentador assíduo da Série A. Somos uma das nações mais sofredores e apaixonadas deste território.
Mas o torcedor comum da arquibancada está de mãos atadas porque sabe que sua capacidade de intervenção nos rumos do clube chegou a um limite. Não adianta xingar ou quebrar, e os que não se cansam de gritar “Nêêêgoooo” se deparam com vergonhas que esmorecem qualquer alegria.
Meu clamor popular não pode deixar de reconhecer que o futebol entre os grandes é um esporte onde as elites têm papel chave na história. Daí que gostaria de inverter os papéis e colocar o peso do lado de lá.
As elites são as maiores responsáveis por tantos vexames em Canabrava. São elas que acessam ou são patrocinadores, empresários de comunicações e de jogadores, dirigentes esportivos ou do Estado. São elas que viram as costas, deixam de ir no estádio e até sabotam quando não estão no poder. Atuam por motivações partidárias e eleitorais, negócios individuais e egos aristocráticos.
Nosso período de maiores glórias não foi por obra individual de um Carneiro, entre outras coisas, foi um momento onde os conflitos internos e familiares foram amansados.
Hoje as elites se diversificaram para além do Corredor da Vitória, onde Gordilhos e Catharinos se ergueram de uma sociedade escravocrata. São muitos os comerciantes, juristas, políticos ou médicos, alguns que precisam ser citados por estarem em evidência, como José Rocha, Otto Alencar, Fábio Mota e Robinson Almeida. Outros tantos relativamente anônimos que formam grupos como o que engrenou a candidatura de Ricardo David com um discurso falso de gestão típico de quem é ou pretende ser novo rico.
Nem creio que toda elite do atraso vai se unir, é quase impossível, mas têm que se adaptar à democracia e ao profissionalismo, estabelecer acordos e consensos, e enfrentar conjuntamente as assimetrias nacionais e globais que têm nos afetado no mercado. Não adianta um naco vencer a eleição, tratar o clube como seu e os demais continuarem a deslegitimar.
Pois bem, está dada uma chance às elites se redimirem frente tantos fiascos. A plebe rubro-negra vai continuar a amar o clube e frequentar o estádio. Se descer pra Série C ou D, os ingressos vão ser mais baratos e vamos gritar mais ainda. Aproveitamos e tomamos o clube de vez, rompemos com federações, esquemas de empresários e imprensa sanguinária. Fazemos nossos próprios uniformes, colocamos dez patrocinadores a cada jogo na camisa: padaria de João, salão de beleza de Joaquina e por aí vai.
E, por fim, acabamos com camarotes e as cadeiras numeradas, pra vocês nunca mais voltarem ao Barradão.
A  #VozDoTorcedor é um espaço que o site Resenha na Rede dispõe para que torcedores e colegas de profissão se expressem de forma livre e sem qualquer tipo de censura. Todo conteúdo desta seção é de inteira responsabilidade do autor.
Vinicius Nascimento
Sobre Vinicius Nascimento 247 Artigos
Estudante de Comunicação na UFBA, produtor do programa Os Donos da Bola na TV Band e faz de tudo no Resenha na Rede. Oficialmente, editor e repórter do site. Tricolor, viciado em estádio e feliz pela própria natureza.

1 Comentário

  1. Muita besteira para um texto só…

    Como disse certa vez meu amigo Francisvo Ribeiro:

    “Enquanto a Liga do Mal construiu o clube em 30 anos, a ‘galerinha jovem revolucionária do bem’ o destruiu em um ano e meio”

    #pobreVitoria

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*