Crianças baianas buscam patrocínio para disputar Brasileiro de Karatê em São Paulo

Foto: Resenha na Rede/Osvaldo Barreto.
O futuro dos esportes na Bahia tem sido cada vez mais alimentado por crianças que ajustam suas rotinas escolares com a pratica esportiva, tornando-as mais ativas e apaixonadas pelas diversas modalidades. Nas artes marciais o cuidado com a formação dessas crianças começa muito cedo, e nesse aspecto a academia Shalon de Karatê foi criada para atender esse público de jovens karatecas que têm como sonho a conquista de medalhas.
O Sensei Eduardo Antônio, professor de karatê a mais de 10 anos do clube Drakon e filiado da Federação de Karatê- Dô Tradicional da Bahia (FKTB), compartilha do sonho dessas crianças e como pode, tenta os tornar realidade.
– Eu dava aulas de graça em minha casa para dez alunos e com o tempo essa ideia cresceu aqui no bairro (Daniel Lisboa). Com a procura construí a academia na parte de cima, fiz o dojô e hoje estamos aí conquistando as competições e fazendo os meninos crescerem no esporte.
Foto: Resenha na Rede/Osvaldo Barreto.
No decorrer da sua vida como professor viu que alguns alunos não conseguiram custear a mensalidade para treinar e abriu um espaço para as crianças que tinham muito talento e vontade, treinarem sem nenhum custo e aprenderem mais sobre o Karat.  Hoje a Shalon possui centro de treinamentos em Salvador e Maragogipe, abrindo espaço para as crianças.
– As crianças procuram mais o esporte, os adultos tem se distanciado do Karatê e são elas que estão se dedicando mais, adultos antigos ainda continuam, mas as crianças é quem são a maioria.
DIA DE TREINO
Antes do treino específico pra o esporte, o professor administra uma gincana onde trabalha o condicionamento, a flexibilidade, o alongamento, a noção de lateralidade, utilizando de materiais como cones, cordas, chapéus chinês, tudo para melhorar o controle do corpo e incentivar de forma lúdica e dinâmica a preparação para a aula específica.
Parte lúdica terminada, o professor inicia trabalhando o fundamento de todas as faixas. Trabalhando a base, técnica, alinhando as defesas e golpes e ajustando a habilidade de execução dos alunos. São passados os katas de todas as faixas, pausando a sequência para orientar os alunos, sua base, posição da cintura, corpo e braço.
– A dinâmica das crianças tem que ser trabalhada, para eles aprenderem requer um processo mais complicado e elaborado. O Kihon é igual, eles aprendem a mesma coisa, porém a forma de passar tem que ser um pouco diferente. Gosto muito de trabalhar com crianças, então coloco brincadeiras, jogos didáticos para fazer eles gostarem mais do esporte e assim consigo passar os ensinamentos, uns vão mais rápido, outros demoram mais, e assim eu vou ajeitando eles no esporte.
PROMESSAS 
Com resultado disso os meninos se destacam nas competições e seguem trazendo medalhas para a academia, como é o exemplo de Thiago Rodrigues de 7 anos, um faixa vermelha que ganhou sua primeira medalha aos cinco anos e hoje está convocado para participar do Campeonato Brasileiro em São Paulo.
Thiago e mais cinco crianças da academia Shalon irão disputar nos dias 10 e 11 de agosto uma competição de nível internacional, com grandes expectativas de trazer medalhas para Bahia.
Foto: Arquivo Pessoal.
Toda ajuda é bem vinda e os meninos seguem animados para essa grande oportunidade, que veio cedo analisando a idade desta equipe, mas foi muito deseja por cada um desde o dia em que começaram a praticar o esporte. Para ajudar a academia e os alunos, entrem  em contato com (71) 98802-8931.
Apesar do esporte ser muito mais visto pelas crianças, o sensei se dedica igual para esses alunos e afirma que o esporte nunca fez distinção de pessoas, o que importa é o incentivo da prática, dedicação e apresentação de uma boa técnica. “O karatê é feito para as pessoas, então não tem idade para praticar, todos são bem vindos”, diz orgulhoso.
Aqui está a lista de campeões que irão representar a Bahia na competição:
Thiago Rodrigues de sete anos, faixa vermelha
Marcos Vinícius de 13 anos, faixa roxa
Juliana Rodrigues de 8 anos, faixa laranja
João Paulo de 8 anos, faixa vermelha
Caio Sales de 12 anos, faixa marrom
Marcelo Eduardo de 11 anos, faixa roxa
Carol Ribeiro
Sobre Carol Ribeiro 132 Artigos
Estudante de Jornalismo (Estácio). Repórter dos esportes.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*