Confusão após a partida entre Jacobina e Atlético de Alagoinhas; Presidentes comentam o ocorrido

Foto: Divulgação

@resenhanarede

Após a partida entre Jacobina e Atlético de Alagoinhas, neste domingo (10), no José Rocha, vencida pelo Carcará por 2×0, uma confusão tomou conta do Estádio da cidade. Torcedores do time da casa acusaram membros da torcida do Carcará de depredarem o alambrado do estádio em atos de vandalismo. A confusão se estendeu até o lado de fora.

Segundo o portal Jacobina Notícias, torcedores relataram que desde a chegada dos integrantes da torcida atleticana muitos problemas foram criados e ofensas foram dirigidas até mesmo contra cidadãos comuns e torcedores do Jacobina.

Foto: reprodução/Whatsapp

Confusão

Ainda de acordo com a reportagem da imprensa jacobinense, antes do apito final, enquanto muitos torcedores já deixavam as arquibancadas do estádio, ao passarem pelo portão de saída, que fica ao lado da área reservada aos torcedores visitantes, membros da torcida do Atlético atiraram latas de cerveja, pedras, objetos e cuspiam nos torcedores.

Foto: reprodução/Whatsapp

Tal ato resultou em revida de parte dos torcedores jacobinenses e uma grande confusão foi iniciada. A Polícia Militar precisou intervir para conter a briga. Já do lado de fora, outra confusão foi gerada, o ônibus em que os torcedores do Atlético estavam foi apedrejado e teve que ser escoltado pela Polícia Militar até a saída da cidade.

Versão dos presidentes

Procurados pelo Resenha na Rede, os presidentes do Atlético, Raimundo Queiroz, e do Jacobina, Raffael Damasceno, comentaram o ocorrido após a partida.

“Quando terminou o jogo, eu estava na cabine, eu vi um tumulto com a torcida do Atlético de um lado e do Jacobina do outro, jogando pedra, empurrando o alambrado. Nos dirigimos até lá, a situação ainda estava complicada e chamamos os torcedores para pedir paciência, que não era assim. Eles alegaram para mim que quando o Atlético fez o primeiro gol os torcedores do Jacobina jogaram pedras e pau. Inclusive tinham umas pedras juntas do lado. O fato foi esse, mas imediatamente a polícia, que inclusive tinha poucos policiais, três ou quatro daquele lado, mas logo foi resolvido e os ânimos se esfriaram e não tivemos algo pior, uma situação mais complicada”, declarou o presidente do Carcará, Raimundo Queiroz.

Por outro lado, o presidente do Jacobina fez duras críticas à torcida visitante, que para ele foi a culpada pelo ocorrido após a partida.

“Após o fim da partida os torcedores do Atlético começaram a brigar entre eles e quebrar o alambrado e fazer baderna. Inclusive, a polícia chegou para conter e começou a confusão, mas a briga toda começou entre eles mesmos. Eles quebraram o alambrado, atiraram pedras para o lado da torcida do Jacobina. Alguns torcedores nossos, claro, começaram a reagir, jogaram de volta, mas de forma tímida, até porque a torcida tinha saído praticamente toda do estádio. Uma parte da torcida do Atlético, vestidos de branco, se afastaram quando a polícia chegou, mas os de vermelho foram quem continuaram empurrando até quebrar o alambrado. Se o estádio estivesse cheio ainda poderia ter sido uma confusão fora do comum. Paciência”, lamentou o presidente do Jegue da Chapada, Raffael Damasceno.

Jacobina e Atlético voltam a campo na próxima rodada com missões distintas. O Jegue da Chapada tem a dura missão de permanecer na elite do Baianão, ao receber o vice-líder Vitória da Conquista, no José Rocha. Já o Carcará, que também joga em casa, recebe o Jacuipense para selar a classificação às semifinais da competição.

1 Comentário

  1. Esse presidente do jacobina e um mentiroso pois o alambrado foi quebrado no Primeiro gol do atletico ao comemorar o gol torcedores subiram no alambrado para comprar o alambrado cedeu pois estava em péssimo estado de conservação. Os torcedores do jacobina começou a atirar pedras no nosso lado e ouve o revide.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*