Foto: Acervo Pessoal - Tcheury Goya
parceiro oficial

Atualmente defendendo as cores do Minas Icesp, de Brasília, a atleta Tcheury Goya nasceu na cidade de Santos (SP) e começou a jogar bola com 12, 13 anos e precisou enfrentar alguns obstáculos. “minha família não gostava muito que eu jogasse e na minha rua só tinha menino, ninguém me deixava jogar, só uma vez ou outra, até que no clube que eu frequentava (o Atlanta) tinha futebol feminino, pedi a meu pai para poder jogar. Foi onde começou meu início, graças a Deus e ao Professor Thierry e o Issan, que abriram as portas para o futsal feminino”, relembra.

Apesar de jovem, a atacante de 26 anos, antes de chegar ao Minas Icesp-DF, acumula na bagagens passagens por clubes como Santos, Foz Cataratas, Taubaté e Audax-SP, além da experiência no futebol servo, quando teve a oportunidade de vestir a camisa do Spartak Subotica confira a trajetória da atleta antes de chegar ao clube brasiliense.

Confira a trajetória:
2011- Iniciou no Santos, na época que o Santos trouxe Marta, Cristiane. Tive o prazer de conhecer e treinar com elas, muito mais nova, não jogando muitas partidas. Foi Campeã Paulista

2012- Copa do Brasil e o Estadual pelo Porto Velho

2013 – Taubaté, onde disputou o Paulista

2014 – São Bernardo do Campo, onde jogou o Paulista, ficando em 3º  lugar na lista da Artilharia

2015 – São José do Rio Preto onde jogou a Copa do Brasil e depois o Campeonato Paulista pelo Santos

2016 – Santos, onde disputou o Paulista e o Brasileiro

2017 – Audax – SP onde disputou o Paulista e o Brasileiro

2018 – Embu das Artes onde disputou o Paulista e no meio do ano foi para Sérvia jogar a UEFA Champions League, foi campeã da Copa e Super Liga da Sérvia. De volta ao Brasil e de férias treinando machucou o tornozelo, rompendo os ligamentos e fraturou a fíbula. Fez cirurgia e a fisioterapia, logo depois recebeu o convite e decidiu fechar com o Minas Icesp-DF

Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo

Atualmente jogando como atacante de ponta, tanto pela direita quanto pela esquerda, Tcheury conta que começou a  jogar de lateral esquerda ou direita, ficando mais 3 anos nesta posição, “foi daí que me mudaram para atacante de ponta e meia, fazia os dois, hoje que só sou atacante de ponta, mas se necessitar fico nas outras posições”, declara a a atleta.

Quando o assunto é futebol internacional, confira o depoimento da atleta:
“A experiência lá fora é algo totalmente diferente. O Brasil acaba sendo um futebol menos tático, menos físico e lá fora se exige muito essas duas coisas, se você não pensar no jogo, você acaba não jogando. Porque lá os times jogam bem defensivamente, esquemas compactos, balança certinho, sobe na pressão também certo. Tem todo um posicionamento e aqui no Brasil está começando a melhorar essa parte agora. Fora a experiência de jogar uma Champions League, jogar contra um Bayern de Munique.”

Tcheury relembra ainda as mudanças no quesito estrutura, “no começo sofríamos muito com a falta de estrutura, com condições precárias. Hoje em dia acho que graças a Deus o futebol feminino evoluiu bastante, aqui no Minas não tenho do que reclamar. Isso mostra o quanto que a modalidade evoluiu. Mas a gente sempre tem o que melhorar, né? Mas em questão de suporte, avançamos muito”, finaliza a atleta Tcheury.

Vale destacar que a equipe do Minas Icesp-DF volta a campo para encarar o Flamengo, dentro de casa, no dia 1º de março. A partida marca o duelo válido pela 4ª rodada da Série A1 do Campeonato Brasileiro.

Edição: Fernanda Barros / Paulo Victor – @turbilhaofeminino

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Atlanta a verdadeira forja Santista. Família Tamashiro … Sensei Issamo o pai e incentivador da familia, temos todos os sábados treino para os e as pequenas … de 3 a 15 anos … treinadores seu Isamu, o pai e os filhos Tierry, Thiago e Júnior. Tierry ensinou Neymar a jogar futsal no Liceu São Paulo. Meu filho treina lá.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui