Chamusca acredita que o Vitória teve “espasmos de lucidez” contra Jacuipense

Foto: ECV.

@Resenhanarede

 

O Vitória ficou no empate em 1 a 1, na noite desta quarta-feira (31), contra a equipe do Jacuipense, no Barradão. O torcedor não ficou satisfeito com o resultado e o técnico Marcelo Chamusca reconheceu o jogo ruim realizado pela equipe.”Nós realmente não fizemos um jogo que não conseguimos ter o controle do jogo e ter uma conexão no nosso último terço do campo, com o nosso quarteto ofensivo. Tivemos espasmos de lucidez e não funcionamos coletivamente”, disse Chamusca.

O comandante ponderou em relação ao entrosamento da equipe Rubro-negra, tem em vista que foi a primeira vez que utilizou os 11 jogadores juntos. Contudo, Marcelo garantiu que a utilização da equipe faz parte de um planejamento.

“Essa equipe é a primeira vez que joga junto, críamos esse grupo na semana anterior. O segundo fator que acredito que influenciou é que tivemos jogadores que fizeram a primeira partida na temporada. O terceiro ponto é e que existe um adversário e ele teve méritos, fizeram um gol muito cedo e isso ajudou muito a equipe da Jacuipense, no segundo tempo estávamos desgastados e não conseguimos produzir. Temos esses jogos para usar como laboratório, para criar uma competição interna que é importante em qualquer grupo. Em alguns momentos tivemos o controle. É humanamente impossível fazer todos os jogos com o mesmo time”.

No próximo domingo (3), o Vitória vai a Arena Fonte Nova enfrentar o Bahia pela Copa do Nordeste. O discurso do treinador ao final da partida foi de respeito ao adversário, mas defendeu que os jogadores do Vitória têm que buscar a superação na partida.

“A gente vem preparando a equipe desde quando retornamos de Jacobina, pensando no grau de dificuldade que vamos encontrar jogando na Fonte Nova. O Bahia está com uma equipe montada, mas vamos entrar para buscar o resultado, entendendo que é um jogo difícil. Vamos buscar fazer um jogo equilibrado e consciente. Se for analisar o momento das duas equipes, o Bahia vive um momento superior por ter uma base montada, mas no clássico a gente tem que se superar, teremos que equalizar as ações e potencializar as individualidades”, defendeu Marcelo Chamusca.

Osvaldo Barreto
Sobre Osvaldo Barreto 1307 Artigos
Editor, colunista e repórter. Produtor do programa Os Donos da Bola (TV Band). Advogado.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*