1º capítulo concluido. Julgamento em 1ª instância sobre o BaVi é encerrado, e Vitória é punido

Foto: Vitor Villa/Correio.

O julgamento iniciou pontualmente às 18 hrs, contando com a presença de alguns jornalistas e alguns dos denúnciados, uma vez que os atletas Rubro-negros precisaram viajar devido ao jogo pela Copa do Brasil nesta quarta (28) contra o Bragantino, no Nabi Abi Chedid, partida esta válida pela 3ª fase do certame nacional.

Antes de começar o julgamento houve a tentativa do Vitória em reaver o placar do clássico, através de uma liminar, mas o pleito foi indeferido, bem como o pedido do Bahia para entrar como terceiro interessado.

Em seguida houve o início do julgamento com a exposição do vídeo da confusão generalizada e posteriormente os vídeos das leituras labiais feitas pela Rede Bahia, filial da Rede Globo de Televisão.

Das penas possíveis, pode-se considerar que o Vitória teve a mais branda. O clube foi condenado ao pagamento de R$100 mil, após os pedidos de exclusão do Campeonato Baiano e rebaixamento na competição.

O Relator do processo, Maurício Saporito afirmou que a procuradoria não apresentou provas de que o técnico Vagner Mancini teria orientado o zagueiro Bruno Bispo a forçar o segundo cartão amarelo. O Relator explicou que a procuradoria deveria ter encomendado leitura labial, pois as exibidas em programas televisivos não devem ser consideradas provas processuais. Apenas um dos auditores votou pela exclusão da equipe; outro pediu absolvição e os dois demais votaram  pela multa.

Todos os citados no caso (Mancini, o supervisor Mário Silva, além dos atletas Ramon, André Lima e Bruno Bispo) foram absolvidos.

Em relação à briga iniciada a partir da comemoração do gol do meia tricolor Vinicius, foram sete os condenados. Por ter celebrado com gestos obscenos, Vinicius levou dois jogos de suspensão. Já por agressão, quatro atletas do Vitória (Kanu, Rhayner, Denilson e Yago) e dois do Bahia (Edson e Rodrigo Becão) estão fora do Campeonato Baiano. Todos receberam gancho de oito partidas, exceto Kanu, que levou 10 jogos.

A decisão ocorreu em primeira instância e a procuradoria já avisou que irá recorrer. “As penas foram muito leves. Não representam o anseio da sociedade”, afirmou o procurador Ruy João. Caso se confirme o recurso, o julgamento no pleno deverá ocorrer no dia 13 ou 14 de março.

 

 

Tacio Caldas
Sobre Tacio Caldas 14 Artigos
Direito como profissão, jornalismo por amor e futebol por paixão. Pelo esporte eu vivo e imparcialidade é meu nome. Rubro-Negro acima de tudo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*